Policiais e bombeiros militares da Bahia decidem adiar greve até nova assembleia

Postado por:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
750_policiais-militares-greve-assembleia_2019911175633393

Os policiais e bombeiros militares da Bahia se reuniram na tarde desta quarta-feira, 11, e decidiram adiar o início da greve e agendar para o dia 8 de outubro uma nova assembleia, quando deverá ser definido os rumos do movimento. O encontro, que contou com a participação de aproximadamente mil policiais, aconteceu no Clube Adelba, no bairro de Patamares, em Salvador.

Ao fim da assembleia, os policiais saíram em carreata até a sede da Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), onde pretendiam entregar documento com as demandas  do grupo ao governador Rui Costa. Durante o ato, a categoria realizou protesto e fechou o trânsito, o que causou congestionamentos em algumas regiões.

Durante a carreata, os policiais realizaram protestos e fecharam o trânsito (Foto: Raphael Muller l Ag. A TARDE)

A categoria tem 11 reivindicações na pauta, entre elas melhorias do Planserv, cumprimento do acordo de 2014, solução para os problemas do novo sistema RH, reforma do estatuto, código de ética, periculosidade, auxílio-alimentação, reajuste da CET, plano de carreira, cumprimento de ordem judicial, e Isenção de ICMS para Aquisição de Arma de Fogo para PMs e BMs.

De acordo com deputado e representante da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares (Aspra), soldado Prisco (PSC), uma das grandes reivindicações da categoria é que o governo cumpra um acordo assinado no ano de 2014. “Não foi cumprido o acordo, nós estamos tentando agora. Chegou no limite, a categoria está cansada e começou a cobrar de forma mais efetiva”, disse.

Além disso, Prisco criticou as condições de trabalho oferecidas aos PMs. “Temos péssimas condições de trabalho. Não tem efetivo, são dois homens por viatura. Armamento é completamente ínfimo para a nossa corporação. Também temos a Isenção de ICMS, a carga tributária da Bahia é a maior do Brasil. Zerar isso iria ajudar a nossa categoria e o próprio governo. A maioria da unidades estão sucateadas e em situações horríveis”.

Informações do Atarde 

Deixe seu comentário