Religião: padres da diocese de Paulo Afonso celebram o mês vocacional

Postado por:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
page

Há uma semana, o bispo dom Guido Zendron, celebrou a santa missa na igreja de São Francisco de Assis, refletindo a liturgia que abria o mês vocacional, especialmente a 1º semana que celebra o sacerdócio e os ministérios ordenados.

 

O domingo (05) foi então o dia do padre que se estendeu até está sexta-feira 10, na festa de São Lourenço; neste fim de semana (11/12) celebra-se a vocação do matrimônio, consequentemente, da família.

Os padres da Forania I: Roni, Adriano, Marcílio, Luís Tibúrcio e Frei Miguel celebraram juntos na Catedral de Nossa Senhora de Fátima o dia do diácono, fizeram preces e agradeceram o carinho do povo.

“Também pedimos orações pelos nossos seminaristas, temos 13 no Seminário Maior, em Feira de Santana, e três no propedêutico em São Gonçalo; e até o fim do ano teremos a ordenação para o presbitério dos diáconos Joãozinho, Jorge e Paulinho”, lembrou Padre Roni.

Amizade e unidade

“É uma alegria está aqui celebrando a santa missa no dia de São Lourenço, aqui com os nossos irmãos no presbitério, mesmo sendo todos eles conhecidos, mas a vida de padre é uma correria e é muito bom quando encontramos um tempo para rezar juntos, fazer uma refeição juntos, isso nos engrandece e alimenta a nossa fraternidade, por isso rezem sempre por nós”, pediu Padre Roni.

Depois das preces, Padre Luís (área pastoral do Centenário), falou um pouco sobre o cotidiano do padre: “Nós somos pessoas humildes, simples, temos nossos problemas, nossos pecados e nossas virtudes, como diz a bíblia, somos tirados do meio do povo para servir à igreja de Deus. Eu lembro que ouvi um frase de Santa Rita de Cássia, quando já havia morrido seus pais, seu esposo e seus filhos: “Deus levou a minha família, para que eu amasse uma família maior; o padre não constrói uma família física, mas tem uma maior: uma paróquia, que Deus nos concede para administrar, com o bispo diocesano; ser padre é responder esse chamado de Deus, e meu sentimento vocacional, até os dias de hoje – e lá se vão muitos anos-  é de felicidade, eu me sinto feliz e realizado.”

Deixe uma resposta