Câmara aprova PEC que institui piso salarial para enfermagem

Postado por:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
shutterstock_1724802532

SC), lembrou a importância da categoria, apesar da baixa valorização. “Somos 70% da força de trabalho, mais de 90% são mulheres com dupla e tripla jornada de trabalho”, iniciou a deputada, mencionando a coragem das profissionais que filmaram e denunciaram um médico cometendo estupro contra uma mulher grávida no Rio de Janeiro. “Mais do que nunca, eles merecem o nosso reconhecimento, merecem um salário um pouco mais digno. […] Enfermagem que teve a paciência, que teve a coragem de mudar inclusive a sala para poder garantir as imagens”, acrescentou.

Leia também

Preso no RJ, médico que estuprou grávida passa hoje por audiência de custódia

Piso salarial da enfermagem fica perto de definição no Congresso
A proposta de emenda à Constituição foi aprovada na comissão especial na última quinta-feira, 7, com relatório recebendo voto contrário apenas do líder do Novo, deputado Thiago Mitraud. Em plenário, ele também se colocou contrário à proposta, afirmando que “nunca negou a importância dos profissionais da enfermagem”, mas questionando se a categoria está acima de outros trabalhadores, que também lutam pelo piso salarial. “Vocês serão novamente enganados com a promessa que essa PEC vai trazer melhora na condição de vida dos profissionais. Não vai. Infelizmente, vocês profissionais da enfermagem que perderão os empregos, vocês estudantes de enfermagem que terão dificuldade de conseguir a primeira colocação, infelizmente lembrarão que nós avisamos desses efeitos”, mencionou, reforçando os impactos da proposta.

Entre os pontos principais da PEC 11/22 institui piso salariais nacionais para o enfermeiro, o técnico de enfermagem, o auxiliar de enfermagem e a parteira. Segundo o projeto, o piso salarial de enfermeiros será de R$ 4.750,00; o de técnicos de enfermagem, R$ 3.325,00; e o de auxiliares e de parteiras, R$ 2.375,00. Com a aprovação, a União, Estados e municípios terão até o final do ano para adequar a remuneração dos cargos e planos de carreira. “É merecido, ainda que tardio, porque já poderia ter aprovado muito antes nessa legislatura e eventualmente em outras”, concluiu deputado Alencar Santana (PT-SP).

Com Informações da Jovem Pan News 

Deixe seu comentário