Hospital da Restauração descarta ingestão de água sanitária, que supostamente menino teria bebido em creche de Paulo Afonso

Postado por:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
hospital

Apesar da versão da família, a assessoria do Hospital da Restauração, em Recife, informou ao G1 que vários exames foram feitos no menino, e que os médicos descartaram ingestão de água sanitária.

O menino de 2 anos que passou mal após supostamente beber um copo de água sanitária, em uma creche da cidade de Paulo Afonso, foi transferido de UTI móvel para o Hospital da Restauração, em Recife (PE), na madrugada de quinta-feira (28). Cerca de 441 km separam as duas cidades.

Segundo Hiago Gabriel Almeida, pai da criança, o pequeno Luiz Miguel Batista Almeida deixou a cidade do norte da Bahia por volta das 3h de quinta-feira, acompanhado da mãe. O estado de saúde dele é estável, conforme disse o pai.

De acordo com familiares de Luiz Miguel, a criança bebeu a água sanitária, que estava em cima de uma mesa da creche, acreditando que fosse água potável. O caso aconteceu na segunda-feira (25), na Creche Municipal Lar da Criança Feliz.

Na ocasião, Miguel foi socorrido para o Hospital Nair Alves de Souza, em Paulo Afonso, mas, em seguida, recebeu alta. No entanto, dois dias depois, na quarta-feira (27), o menino voltou a sentir muitas dores e retornou para a unidade médica onde estava internado até ser transferido.

Apesar da versão da família, a assessoria do Hospital da Restauração, em Recife, informou ao G1 que vários exames foram feitos no menino, e que os médicos descartaram ingestão de água sanitária.

Conforme a assessoria, o garoto sofreu uma invaginação, que ocorre quando uma parte do intestino se insere dentro de outra. A invaginação, segundo o hospital, não tem relação com ingestão de água sanitária.

A assessoria disse ainda que foi cogitada a possibilidade do menino passar por uma cirurgia, contudo, o procedimento foi descartado.

Segundo o hospital, a criança já voltou a se alimentar normalmente. No entanto, não há ainda previsão de alta médica.

A Secretaria de Educação de Paulo Afonso informou que está acompanhado o caso e que a família receberá toda a assistência médica necessária.

“Um fato isolado no município. Enviamos uma equipe, juntamente com a gestora escolar, para dar todo o suporte à família, suporte à criança. Estamos acompanhando atentamente todos os passos nessa assistência e estamos, junto a escola, apurando os fatos para ver quais são as medidas cabíveis a serem tomadas nesse momento”, destacou a secretária Elza Brito.

Deixe seu comentário