‘Nós temos que ter humanidade e amor’ diz irmã Leda em reunião ecumênica da Pastoral da Aids

Postado por:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
re

Aconteceu nesta 3ª feira, 20, no Centro Social Urbano [CSU], no BTN II, um encontro ecumênico promovido pela Pastoral da Aids, para que juntos, seguidores de várias denominações religiosas possam unir forças e ajudar pessoas com a doença que ainda mata milhares de pessoas pelo mundo.

Em Paulo Afonso a Pastoral da Aids e seus parceiros atendem a cerca de 300 pessoas soropositivas, embora estima-se que o número maior são de pessoas que não sabem que têm o vírus, por isso o foco é na prevenção.  “Nós achamos fundamental  a união de todas os seguimentos religiosos, porque tem famílias que são católicas, outras evangélicas ou das religiões afro-brasileiras entre outras, e  nós queremos é chegar na pessoa que precisa de ajuda para encaminhá-la aos serviços médicos e sociais”, disse Eliane, que é voluntária da Pastoral da Aids.

A convite dos voluntários, a vereadora Irmã Leda participou pelo 2º ano consecutivo da reunião e disse que é preciso tratar a pessoa que já tem o vírus com humanidade e amor. “A gente precisa primeiro aprender como lidar com a doença, e a gente tem que ter humanidade, amor, tem que ter carinho com  a pessoa que está contaminada por isso a Aids não pega com abraço e afeição.”

Os voluntários disseram que há casos dramáticos em Paulo Afonso, em que pessoas vivem isoladas num quarto separadas das famílias e que ainda persiste muito preconceito.

A importância do teste rápido

Jairo que é soropositivo há nove anos, explicou que o teste rápido é fundamental porque com ele, caso dê resultado positivo, o paciente passa por uma série de exames que vão ajudar a prevenir enfermidades. “O teste rápido é fundamental para a pessoa se prevenir, e está disponível na rede pública, a pessoa que quiser é só procurar um posto médico que será informado como fazer.”

Dia 1º de dezembro marca a luta contra  a Aids, em cujas campanhas pedem mais solidariedade, tolerância e compreensão das pessoas com aquelas que infectadas pelo HIV/Aids.

Deixe seu comentário